Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aqui no Montijo...

O melhor da vida é... fugir daqui

Aqui no Montijo...

O melhor da vida é... fugir daqui

22.Ago.18

Cortinados novos! (Quarto 12, cama 3 - IV)

j.campião
 Às 10 e 30 já tinha colado o papel na parede da cabeceira da minha cama. Satisfeita, abri a mala, retirei a carteira e fui para a cozinha. Fiz um chá, mas depois não me apeteceu bebê-lo. Em vez disso, espremi o sumo de uma toranja, descasquei os dois figos verdes mais maduros que tinha e sentei-me à mesa. Apontei o telecomando à televisão (colocada na parede e ladeada por duas pequenas colunas de som, verticais). Repeti para mim mesma, uma vez mais, que os programas das manhãs (...)
12.Ago.18

Margarida (Quarto 12, cama 3 - III)

j.campião
Voltei de Angola uma pessoa diferente. Mais do que ter ido procurar (inutilmente) os meus pais, fui encontrar-me comigo própria. Já não me incomoda o sentimento de perseguição da morte quando saio para a rua ou sempre que me olho no espelho, mas não prescindirei da plenitude que por vezes me preenche, como na manhã em eu que me deitei sobre a cama a olhar para o teto e a interrogar-me: Quem se seguirá? Até onde poderei ir? Porque razão não temo ser apanhada? Lembro-me dessa (...)
29.Jul.18

Regresso a África (Quarto 12, cama 3 - II)

j.campião
 Depois da enormidade do meu ato fui acometida por uma inquietação, durante a qual me repeti vezes sem conta: «Matei um homem! Eu matei um homem!!».O homicídio trouxe-me toda uma emergência de sentimentos contraditórios, de estados de espírito confusos, de dolorosas impressões físicas para as quais eu não estava preparada, nem delas havia sequer suspeitado quando executei o crime. Deixei de escrever, deixei de trabalhar e, por fim, deixei de conseguir conviver comigo mesma, tal (...)
15.Jul.18

Quarto 12, cama 3 - I

j.campião
A última vez que decidi retomar as pesquisas para o “Sob o sol de Estremoz” (texto que que teimo em não dar por concluído) estacionei em frente de um pequeno acampamento de ciganos e deparei-me com uma criança em cuecas, à beira da estrada, com um prato repleto de batatas cozidas equilibrado numa das mãos e um garfo na outra. Olhámo-nos por um instante. O garfo no ar, o prato com as batatas secas... e os olhos da criança fixados em mim. Não guardo muitos pormenores desse (...)
18.Fev.18

O medo e as ondas da Nazaré (A celebração de Markino - parte III)

j.campião
Sigo as coordenadas do GPS e estaciono no local que Adélia me indicou. O mar sopra-me na cara um vento frio e húmido, agitando-me as tranças; puxo a gola do casaco e rodo ligeiramente sobre os calcanhares até vislumbrar o seu vulto, sentado e embrulhado numa manta. Resignada, dou graças por ter calçado botas e caminho sobre a areia. ― Senta-te! ― murmura-me quando chego perto. Passo por detrás de uma prancha, desdobro a manta que me espera no outro lado e obedeço-lhe. Embora (...)
01.Jan.18

O segredo do latte macchiato (A celebração de Markino - parte II)

j.campião
O segredo de um bom latte macchiato está na consistência que damos ao café e ao leite; claro que ambos têm que ser de boa qualidade. Aqui o café é bom, mas não posso beber um latte macchiato, não me atrevo a sugerir que me vaporizem o leite e lhe misturem o café segundo as minhas indicações, por isso limito-me a pedir: ― Meia-de-leite, se faz favor. ― Mais alguma coisa? ― Não. Estou à espera de duas pessoas... Espero o meu irmão e a minha amiga Adélia, mas receio que (...)
17.Dez.17

Viagem ao Arizona (O meu preço - parte III)

j.campião
Sinto-me estupidamente calmo depois de ter dormido mal e acordado demasiado cedo, sem ânimo para sair de casa. Decidi tomar o pequeno almoço na sala e ficar a olhar pela janela as pessoas a cruzarem-se na rua, sob a azáfama do Natal, segurando os chapéus de chuva. Rememoro a voz de João Domingos, as suas mãos esfaceladas: ― Quando lá cheguei dei por mim à procura dos Navajos, dos Apaches e dos Índios Pueblo. Tinha feito a viagem imaginando-os a caçar, a lutar, a matar, a morrer.
08.Nov.17

Um execrável alarve! (O efeito das borboletas - parte III)

j.campião
Os personagens dos meus quatro primeiros romances eram todos muito bons e foi isso que lhes reduziu os enredos a merda!Na realidade talvez não fossem assim tão maus, mas é como agora me esforço por classificá-los, depois de iniciar a terapia e procurar desenvolver uma imperturbável agudeza de espírito e capacidade crítica, desprovidas de misericórdia.Foi-me necessário escrever mais de mil e quinhentas páginas para perceber que não era capaz de compor, convincentemente, um (...)
29.Out.17

A batata da verdade (O efeito das borboletas - parte II)

j.campião
Aos sábados, no outono, gosto das manhãs cinzentas. Sempre que amanhece assim, levanto-me e espreito pela janela do quarto o manto esfarrapado da neblina sobre as copas das árvores, no parque, e vem-me à memória, sei lá de onde, um irrequieto aroma de café com croissant. Então, lavo-me à pressa e, mais do que me pentear com os dedos, sacudo o cabelo ainda húmido, coloco a trela na cadela e saímos para a rua, satisfeitos. Nestas manhãs deixo-a escolher o caminho, mesmo que me (...)
22.Out.17

Leiopelma Pakeka (O meu preço - parte II)

j.campião
Quando me disseram que Cátia tinha-se separado do marido e deixado o país, não sei por quê, calculei de imediato que tivesse ido para Espanha. Garantiram-me que não, que tinha partido para a Nova Zelândia. Sempre soube que Nova Zelândia está nos antípodas de Portugal, mas nunca me tinha apercebido do quanto estava igualmente longe do meu imaginário, contudo e desde então, passou a fazer parte do meu dia-a-dia, ou melhor, das minhas angústias quotidianas. Foi por isso que numa (...)